Obama suspende deportação de jovens imigrantes ilegais; medida beneficia até 1,4 milhão

Janaina Lage

RIO e WASHINGTON

 

Tecnicamente empatado com o candidato republicano, Mitt Romney, na maioria das pesquisas de intenção de voto, o presidente Barack Obama anunciou ontem uma mudança na política imigratória voltada diretamente para o eleitorado latino, que deve desempenhar papel crucial na disputa sobre quem ocupará a Casa Branca nos próximos quatro anos. O governo anunciou a suspensão dos processos de deportação de imigrantes ilegais menores de 30 anos e que tenham chegado ao país quando crianças. De acordo com cálculos do Pew Hispanic Center, a medida pode beneficiar até 1,4 milhão de crianças e adultos que vivem ilegalmente nos EUA, o equivalente a 12% dos imigrantes sem documentos no país.

Apesar do apoio expressivo de Obama entre os latinos, a minoria que mais cresce na população americana, o presidente vinha sendo pressionado por conta da política agressiva de deportações em seu governo, com mais de 1,1 milhão de pessoas expulsas nos últimos três anos. As novas regras foram anunciadas uma semana antes de Obama discursar em evento da Associação Nacional de Latinos Eleitos e de Funcionários Nomeados, na Flórida. Romney, acusado de adotar linha dura contra os imigrantes ilegais, também participará de evento com a associação. As mudanças apresentadas por Obama representam uma maneira de compensar as sucessivas tentativas fracassadas de aprovar em um Congresso profundamente dividido o Dream Act, legislação que criaria um caminho para a cidadania para jovens imigrantes ilegais.

– Eles são americanos no coração, na mente, em todos os aspectos, menos um: no papel. (…) Somos uma nação melhor do que uma que expulsa jovens inocentes – disse o presidente, ao comentar as novas regras.

 

Mudança enfurece republicanos

Mas desta vez a proposta não abre caminho para a cidadania. Os jovens “poupados da deportação” têm direito a solicitar uma autorização de trabalho válida por dois anos, que pode ser renovada. A análise será feita caso a caso. Para ter direito ao benefício, é preciso viver no país há pelo menos cinco anos, ter chegado aos EUA até os 16 anos, não ter ficha criminal, estar cursando ou ter concluído o ensino médio e contar com dispensa do Exército.

– Estou feliz, mas cautelosa. E o que vai acontecer se as pessoas se assumirem imigrantes ilegais e as regras mudarem daqui a dois anos? – disse ao GLOBO Prerna Lal, estudante de direito de 24 anos, que nasceu em Fiji e chegou ao país quando era criança. – Mas meu processo de deportação será suspenso, terei direito a documentos. Isso vai auxiliar muita gente a frequentar a faculdade, ter melhores oportunidades de trabalho e ajudar na recuperação da economia.

Na véspera do anúncio, Obama disse em um evento de levantamento de recursos de campanha na casa da atriz Sarah Jessica Parker, em Manhattan, que quer dedicar o segundo mandato na Casa Branca a consertar a fracassada política imigratória.

Mas para parte dos jovens imigrantes ilegais, não é hora de cruzar os braços e esperar. Membros da Aliança Nacional do Jovem Imigrante invadiram o escritório de campanha de Obama em Michigan, e fizeram ações similares em Ohio e na Califórnia.

– Nossa experiência mostra que funcionários locais da agência de Imigração não são confiáveis quando se trata de levar adiante as políticas de Washington. E a análise caso a caso é um risco – disse ao GLOBO Dominic Powell, organizador do grupo. – De um modo ou de outro ainda temos que lutar. Sem a ameaça de deportação teremos mais força.

O Conselho Americano de Imigração, que defende reformas na política imigratória, elogiou as mudanças, mas alertou que é preciso encontrar uma solução que permita a obtenção da cidadania, como previa o Dream Act.

– Até que o Congresso aja, o programa oferece alívio para que jovens não enfrentem o risco de deportações sem sentido – disse Benjamin Johnson, diretor-executivo da grupo.

Ao apresentar as novas regras, a secretária de Segurança Interna, Janet Napolitano, enfatizou que elas não significam “imunidade” ou “anistia”, mas os republicanos fizeram uma leitura diferente dos acontecimentos, acusando o presidente de extrapolar sua autoridade ao fazer uma mudança significativa na política imigratória sem a aprovação do Congresso.

Para Steven King, legislador republicano de Iowa, Obama “planeja usurpar a autoridade constitucional do Congresso” e “dar anistia por decreto” a imigrantes ilegais, segundo o site Politico.com. No programa de rádio do político Mike Huckabee, chegou a ameaçar processar o governo.

Já o presidente da Comissão Judiciária da Câmara, o republicano Lamar Smith, classificou a decisão do presidente como uma “violação da fé” com consequências terríveis para os americanos desempregados. Para ele, a medida será um ímã para fraudes, com ilegais alegando terem chegado ao país quando eram crianças.

Para se ter uma ideia do quão explosivo é o tema, um repórter interpelou o presidente enquanto ele comentava as novas regras, uma interrupção incomum em eventos na Casa Branca.

– Por que você favorece estrangeiros no lugar de trabalhadores americanos? – perguntou um homem identificado como Neil Munro, do site The Daily Caller, fundado por um comentarista conservador e por um conselheiro do ex-vice-presidente Dick Cheney.

Irritado, Obama respondeu que não era hora para perguntas.

 

Siga-nos em:

Comments

comments